quinta-feira, 31 de março de 2016

Informe do jurídico do Sepe sobre corte de ponto no Estado

Logo após a deflagração da greve dos profissionais de educação da rede estadual e pública de ensino, o Departamento Jurídico do SEPE/RJ ingressou com uma ação judicial visando evitar que o Estado do Rio de Janeiro cortasse a remuneração dos trabalhadores que aderiram ao movimento paredista.

Na primeira decisão o Desembargador responsável pelo julgamento não decidiu favoravelmente o pedido do SEPE porque, segundo ele, não havia perigo eminente que justificasse tal medida, isso apesar de uma declaração do secretário de educação no Jornal Folha Dirigida.

Contudo, diante da emissão de um documento oficial da secretária onde há menção expressa de sua intenção de cortar a remuneração dos servidores em greve, o Departamento Jurídico do SEPE/RJ pediu uma reavaliação do pedido liminar, visto que agora havia um documento oficial atestando a intenção do corte.

Dia 30 de março de 2016, o Desembargador responsável pelo julgamento da liminar negou novamente a liminar por continuar considerando a ausência de perigo de corte, agora em razão de que o Supremo Tribunal Federal (STF) já teria resolvido a questão no Recurso Extraordinário – 693456, que trata do tema de corte de ponto de servidor público em razão de greve.

De fato, o tema está em julgamento no Recurso Extraordinário – 693456, contudo, ainda não há posição consolidada, mas apenas um voto favorável ao corte e um contrário, tendo sido o julgamento suspenso em razão do pedido de vista de um dos Ministros.

Diante disso, o Departamento Jurídico do SEPE/RJ pedirá esclarecimentos ao Desembargador para que ele se manifeste de maneira mais objetiva sobre a concessão ou não do pedido liminar, afinal, entendemos que o perigo de corte está devidamente qualificado.

Por fim, reafirmamos a legalidade e a legitimidade do movimento de greve dos Profissionais de Educação da rede pública estadual de ensino, ainda mais diante da recente notícia de que o governo do Estado do Rio de Janeiro dividirá em duas parcelas o próximo pagamento do conjunto de servidores fluminenses.

Fonte: SEPE/RJ

quarta-feira, 30 de março de 2016

Professores em vigília na Alerj - aumento da previdência não será mais votada

Após pedido feito pela Deputada Marta Rocha, durante reunião entre deputados e o governador interino Franscisco Dornelles, ficou definida a retirada de pauta da proposta que altera as regras de pensões por morte e o aumento da contribuição previdenciária dos servidores, de 11% para 14%.
O pedido foi aceito de imediato pelo presidente da Alerj, Jorge Picciani, e acatado pelos demais presentes ao encontro.

Milhares de servidores estão dentro da Alerj para acompanhar a sessão desta quarta-feira da assembleia. Eles são contra a proposta que altera as pensões, antes marcada para ser votada nesta quarta-feira.

Durante todo o encontro, diversos deputados cobraram esclarecimentos do governo para saber quais as saídas que o Estado pode adotar para quitar uma folha de R$ 2 bilhões. Dornelles, porém, não deu garantias sobre pagamentos.

Fonte: Extra

Convocação para Ato Unificado em Barra Mansa - 5 de abril, às 9h

# Dia 05/4 (terça-feira)
Indicativo de ato e passeata envolvendo profissionais da educação de todos os municípios vizinhos, a partir das 9h
* concentração em frente ao restaurante popular próximo ao Bramil

Rede Estadual em greve: Vigília hoje na Alerj para acompanhar votação da PL

O Conselho Deliberativo da rede estadual, reunido no Sepe no final da tarde desta terça-feira (dia 29/3), aprovou uma proposta a ser encaminhada para votação na plenária de hoje (dia 30/3), no Paço Imperial, de realização de vigília na Alerj, hoje (dia 30/3) para acompanhar a votação da primeira parte do PL do governo estadual que modifica o regime previdenciário dos servidores. A vigília será iniciada logo após o final da assembleia que decidirá os rumos da greve na rede estadual, iniciada no dia 02 de março. A ideia anterior era a de realização de uma marcha até a Secretaria de Estado de Fazenda, mas com a reintrodução do projeto de modificação do sistema previdenciário na Alerj, o Conselho decidiu modificar a proposta e realizar a vigília para pressionar os deputados a não votarem o projeto do governo estadual, que ameaça os direitos do funcionalismo.

Fonte: SEPE/RJ

segunda-feira, 28 de março de 2016

Assembleia desta 2ª feira delibera novas ações para a semana (agenda atualizada)

DELIBERAÇÕES DA ASSEMBLEIA LOCAL DE Barra Mansa em 28/3/16:

# Manutenção do QG (quartel general) na terça-feira (a partir das 10h) e na quinta-feira (a partir das 10h): 

# Dia 31/3 (quinta-feira)
Concentração na sede do Sepe BM/RC às 9h e às 10h na Praça da Liberdade - QG (quartel general)
* No mínimo 3 pessoas. 
* Obs.: o local teve que ser alterado em função da Praça da matriz estar ocupada com cartazes de outros movimentos associados a partidos políticos.

# Dia 1º/4 (sexta-feira) 
Ato da Educação às 17h na Praça da Matriz com panfletagem

# Dia 04/4 (segunda-feira)
Assembleia local de BM/RC às 18h no Palácio Barão de Guapi

# Dia 05/4 (terça-feira)
Indicativo de ato e passeata envolvendo profissionais da educação de todos os municípios vizinhos, a partir das 9h
* concentração em frente ao restaurante popular próximo ao Bramil

quinta-feira, 24 de março de 2016

Vídeo com professores de vários países apoiando a greve na Rede Estadual

video

Balanço da audiência com secretário da educação Antônio Neto

No dia 23 de março, a Coordenação Geral, um representante da categoria e um estudante do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes participaram de audiência com o secretário de Estado de Educação, Antonio Neto, e sua equipe de gestão.

Vale registrar que tal audiência foi a primeira após a deflagração da greve, iniciando, dessa forma, o processo de negociação. Foram relatados todos os pontos da pauta já encaminhada e apresentado o que foi aprovado nas últimas assembleias: escola indígena, dupla escola e suspensão de calendário.

Abaixo seguem a cobrança da pauta feita pelo Sepe e as respostas da Seeduc:

• Reajuste salarial de 30% já, extinção do pacote de reforma do regime previdenciário, retorno do calendário de pagamento, descentralização da perícia médica, carga horária de 30 horas para os funcionários administrativos – Resposta Seeduc: serão tratados com o Executivo;

• Decreto que abonas as greves anteriores – Seeduc garante para fins disciplinares, com relação aos fins econômicos, ainda depende de cálculo do impacto financeiro por parte da Seplag;

• Realização de concurso público para funcionários administrativos e retorno dos porteiros para as escolas – quando houver disponibilidade orçamentária;

• Eleição direta para direção de escola – Seeduc dará respostas até o final do mês aos questionamentos cobrados pelo Sepe sobre o projeto de lei apresentado ao final do ano de 2015

• Enquadramento por formação – afirmou que será pago, no entanto ainda não apresentou data;

• Pauta pedagógica: 1/3 mínimo para planejamento, 1 matrícula 1 escola, nenhuma disciplina com menos de dois tempos e outros – serão respondidos pela Seeduc em GT específico no dia 29/03;

• Pauta indígena – Seeduc afirmou pretender retomar parceria com Uerj para formação de professores de educação indígena, será marcada audiência específica;

• Dupla Escola – será marcada audiência específica;

• Suspensão do calendário – Seeduc afirma que só tratará do tema ao final da greve;

• Resolução assegurando a concessão da licença especial para todos os servidores, independentemente do período de aposentadoria – Seeduc afirma que será publicada no 2º semestre de 2016.

A seguir, pautamos a Circular 001 da Seeduc que trata das orientações sobre a greve dos servidores da Educação e obtivemos as seguintes respostas:

• será aplicado o código 61, tanto na matrícula quanto na GLP, no dia de trabalho do profissional de educação, como sempre foi em todas as greves. Afirmamos que, conforme deliberado em assembleia, se houver corte de ponto NÃO haverá reposição;

• GLP – Seeduc afirmou que após o 16º dia corrido, o docente sai do quadro de horário, mas que retorna ao final da greve, como de praxe. Só não retorna se chegar professor de matrícula;

• contratos temporários serão apenas para carência real que já existia antes da deflagração da greve e não para substituir grevistas, seja na matrícula ou na GLP. Seeduc também afirmou que ainda não houve chamada para tais contratos.

A direção do Sepe/RJ lembra a categoria que a circular enviada no dia 18/03/2016 para as escolas é uma atualização de documento anterior. É visível o objetivo da Seeduc: enfraquecer a greve dos profissionais de educação.

O índice de greve está alto, mais de 70% de adesão em todo o Estado.

Nenhum governo assumirá inviabilizar o ano letivo dos nossos estudantes com desconto do nosso salário. Vale ressaltar que o código 61, conquista histórica de nossas greves, é apenas informativo e não punitivo

É importante reforçar que o processo de negociação foi retomado e haverá uma audiência com as Secretarias de Fazenda, Planejamento, Governo no Palácio Guanabara.

Vamos à luta! Todos juntos! Juntos somos fortes. Todos na próxima assembleia que será no dia 30/03 em local a confirmar.

Fonte: SEPE RJ

terça-feira, 22 de março de 2016

Nesta 4ª feira, sindicato terá audiência com secretário Antônio Neto

Nessa quarta, dia 23/03, será realizada uma audiência com o secretário Antonio Neto, às 15h, na ALERJ. A assembleia decidiu incluir na pauta de reivindicações da categoria para já ser discutido nessa audiência a imediata suspensão do calendário escolar, desvinculando-o do calendário civil, garantindo os direitos de férias, a qualidade da reposição das aulas e do ano letivo. O Sepe orienta a categoria a fazer uma vigília na Assembleia Legislativa no momento da audiência.

Fonte: SEPE RJ

Assembleia da Rede Estadual decide: Greve Continua

Terminou há pouco a assembleia dos profissionais de educação do estado, no ginásio do Clube Municipal, e teve a presença de cerca de 3 mil pessoas, que decidiram, por unanimidade, pela CONTINUIDADE DA GREVE.

A greve começou dia 02/03 e está fortíssima em todas as regiões do estado, atingindo índices de 70% de paralisação.

Nessa quarta, dia 23/03, será realizada uma audiência com o secretário Antonio Neto, às 15h, na ALERJ. A assembleia decidiu incluir na pauta de reivindicações da categoria para já ser discutido nessa audiência a imediata suspensão do calendário escolar, desvinculando-o do calendário civil, garantindo os direitos de férias, a qualidade da reposição das aulas e do ano letivo. O Sepe orienta a categoria a fazer uma vigília na Assembleia Legislativa no momento da audiência.

A próxima assembleia será no dia 30/03 (quarta-feira), na parte da manhã, seguida de passeata e ato à tarde – local a ser confirmado. O comando de greve se reunirá dia 24, 17h, no Sepe.

Outro ponto aprovado foi uma moção de apoio aos estudantes do Colégio Estadual Presidente Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, que ocupam a escola desde o dia 21/03.

Recuo do governo 

A greve já colheu como resultado o recuo do governo em relação ao projeto de lei que altera a previdência do estado, aumentando o desconto previdenciário de 11% para 14%. A pressão dos servidores do estado, notadamente os da educação em greve (além da rede estadual, estão em greve os servidores da FAETEC, UEZO, UENF, CECIERJ e UERJ), obrigaram este recuo de Pezão, que retirou o PL da ALERJ.

A educação inclusive realizou uma passeata do Largo do Machado até o Palácio Guanabara, no dia 13/03, com milhares de pessoas – e mesmo com a forte chuva que caiu no Rio naquele dia, os profissionais mantiveram o protesto e arrancaram uma audiencia com o secretário de Educação, Antonio Netto, dia 23/03, na ALERJ, 15h. O SEPE convoca a categoria a realizar uma vigília no momento da audiência, nas escadarias da Assembleia Legislativa.

Calendário 

23/03 (quarta): vigília no local da audiência com o secretário Antonio Neto, na ALERJ, 15h;

24/03: reunião do comando de greve, 17h, no Sepe;

30/03 (quarta): Assembleia na parte da manhã, seguida de passeata e ato à tarde – locais a serem confirmados.

Fonte: SEPE RJ

Agenda do SEPE Barra Mansa (atualizada)

Comando de greve para visita aos colégios estaduais e municipais da cidade Barra Mansa a fim de promover atos de engajamentos com professores, estudantes e comunidade.

# ROTEIRO DA REDE ESTADUAL:

=> Dia 28 de março (segunda-feira)
11h - Ato na Praça da Matriz (em Barra Mansa)

18h - Assembleia
Local: Palácio Barão de Guapi (ao lado do Jardim das Preguiças)

=> Dia 30 de março (quarta-feira)
Assembleia Geral no Rio de Janeiro
Local: Clube Municipal (Rio de Janeiro)

=> Dia 1º de abril (sexta-feira)
17h - Ato na Praça da Matriz (em Barra Mansa)
* A confirmar, ato e passeata pela Avenida Joaquim Leite.

=> Todos os dias
Núcleo de informações e concentrações na Praça da Matriz (QG)
* Os professores nos seus horários de trabalho podem ir ao local, a fim de esclarecer a população sobre a greve.

* Obs.: Foi deliberado em assembleia que haverá atos toda segunda-feira (às 11h) e sexta-feira (às 17h) no centro de Barra Mansa. 

segunda-feira, 21 de março de 2016

SEPE Barra Mansa apoiando professores da Rede Estadual de Porto Real

Na manhã desta segunda-feira (21 de março), membros do comando de greve do SEPE de Barra Mansa reforçaram o ato de greve em frente ao Colégio Estadual República Italiana, no município vizinho de Porto Real. Educadores de colégios de Quatis e Floriano também ajudaram na manifestação.

Com o Muspe, SEPE participa de audiência nesta terça-feira na Alerj

Representantes do Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe) se reúnem nesta terça-feira com o líder do governo na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), deputado Edson Albertassi (PMDB). De acordo com a integrante da coordenação geral do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe), Marta Moraes, o encontro é fruto da pressão do ato público que aconteceu em frente ao Palácio Tiradentes.

O objetivo é apresentar argumentos para o parlamentar de que não é mais possível a Casa aceitar qualquer mudança na reforma previdenciária do funcionalismo municipal, mesmo que o projeto seja reapresentado de outra forma. As categorias que compõem o Muspe promoveram semana passada uma greve de três dias. O Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Rio (SindJustiça) divulgou nota informando que a partir de desta segunda-feira vai recolher todos os pontos de greve para fins de abono.

De acordo com a direção-geral do sindicato, o momento é de avaliar as falhas e os acertos do movimento grevista. Segundo a nota, há comarcas em que os servidores possuem grau de consciência suficiente para sustentarem a luta sem precisar que o sindicato esteja presente o tempo todo. Mas há comarcas em que é necessário intensificar o trabalho. Serão promovidas caravanas com grupo formado por diretores do sindicato para conversar com os servidores da classe.

Profissionais da Educação, da Fundação Centro de Educação à Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj) e da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), incluindo técnicos-administrativo e docentes, permanecem em greve esta semana. As categorias estão de braços cruzados por tempo indeterminado.

Na terça, profissionais da rede estadual fazem assembleia às 14h para discutir os rumos da greve. Será no Club Municipal, na Rua Haddock 359, na Tijuca, Zona Norte do Rio.

Fonte: http://blogs.odia.ig.com.br/coluna-do-servidor/

sexta-feira, 18 de março de 2016

Agenda do SEPE Barra Mansa para próxima semana

Comando de greve para visita aos colégios estaduais e municipais da cidade Barra Mansa a fim de promover atos de engalamentos com professores e estudantes.

# ROTEIRO DA REDE ESTADUAL:

Dia 21 de março (segunda-feira)
6h - Ato em frente ao CE República Italiana (em Porto Real)
* Com educadores de colégios de Porto Real, Quatis e Floriano.

16h - Mesa Redonda com o tema "A Construção do Conhecimento numa Visão Multidisciplinar" (com professores da Rede Estadual)
Local: Palácio Barão de Guapi (em frente ao Jardim da Preguiça)

18h - Assembleia da Rede Estadual em Barra Mansa
Local: Palácio Barão de Guapi (em frente ao Jardim da Preguiça)

Dia 22 de março (terça-feira)
7h - Saída de van da Praça da Matriz, rumo ao Rio de Janeiro, para o Conselho Deliberativo do SEPE e Assembleia Geral da Rede Estadual

quinta-feira, 17 de março de 2016

Sepe de Barra Mansa participou de ato conjunto do MUSPE na Alerj

Membros do SEPE de Barra Mansa em ato no Rio de Janeiro
Os profissionais da educação da rede estadual participaram hoje na Alerj, durante a tarde, de ato que reuniu servidores públicos que integram o Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Estado (MUSPE) para exigir do governador Pezão o atendimento da pauta de reivindicações do funcionalismo. Hoje foi o segundo dia da greve de advertência de 72 horas dos servidores que fazem parte do MUSPE (a rede estadual e os demais setores da educação (UERJ, UEZO, UENF, FAETEC e CECIERJ estão fazendo greve por tempo indeterminado).

Os servidores exigem a volta do calendário antigo de pagamento, fim dos atrasos e parcelamentos de vencimentos e garantias de que o governo estadual não irá enviar novamente um pacote propondo mudanças no sistema previdenciário do serviço público estadual. Além destas, os servidores também querem reajuste salarial. Os professores e funcionários das escolas estaduais tiveram reajuste zero em 2015 e, em fevereiro, Pezão anunciou que, em 2016, também não daria reajuste para a categoria.

Fonte: SEPE-RJ

Paralisação da Rede Municipal de Barra Mansa

A paralisação dos professores da rede municipal de ensino será a princípio de 72 horas. De acordo com a diretora do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe), Fernanda Carreiro Alves, esta é uma paralisação com indicação de greve. Ela falou ainda que em uma assembleia na sexta-feira (19) será decidido se será decretada a greve.

Ainda segundo Fernanda, amanhã na parte da manhã, os profissionais irão manifestar na porta da prefeitura e às 15 horas, um ato unificado, com professores do município e estado, será realizado na Praça da Liberdade no Centro. “A nossa paralisação é devido ao nosso Plano de Cargos e Salários, que segundo o subsecretário de educação sofrerá algumas mudanças e será votado na câmara. Teremos uma posição hoje sobre o assunto. O nosso plano era para ter sido votado no dia 28 de fevereiro”, apontou, acrescentando que entre os pedidos dos profissionais está a redução da carga horária para profissionais da educação como disciplinares, merendeira, entre outros, o piso nacional, a redução de 1/3 da carga dos professores, entre outros.

A diretora disse ainda que foram enviados ofícios ao prefeito Jonas Marins  pedindo uma agenda com o Sepe, mas ele ainda não atendeu a nenhum dos pedidos.

Fonte: A Voz da Cidade

Greve na Rede Estadual: comunicado do jurídico sobre ação contra corte de ponto

O processo de deflagração de greve dos profissionais de educação da rede pública de ensino do Estado do Rio de Janeiro foi realizado a partir da fiel observação do previsto na Lei 7.783/89, portanto, foi iniciada em assembleia amplamente convocada para esse fim e tal decisão da categoria foi notificada com antecedência maior que 72 horas ao governador, entre outros cuidados.

Desde o início o Departamento Jurídico estava monitorando a postura da administração para ingressar com medida judicial preventiva e, logo após a declaração pública do secretário de educação de que pretende cortar o ponto dos trabalhadores em greve caso a paralisação superasse quinze dias, ingressou com ação preventiva.

Ação foi apresentada ao Órgão Especial do Tribunal de Justiça e, muito embora o desembargador relator não tenha se manifestado contrário à tese jurídica apresentada, ele negou a o pedido liminar sob o argumento de que não verificava perigo iminente do corte, mas admitiu que poderá reavaliar a decisão em caso de surgimento de nova prova ou indício de que isso acontecerá.

O Departamento Jurídico continua monitorando a postura do Governo Estadual para elaborar pedido de reavaliação diante da negativa inicial. Não há qualquer debate em curso sobre a legalidade do movimento, nem o Estado e tampouco o SEPE-RJ ingressou com dissídio coletivo de greve. Esta ação visa apenas censurar futuro corte de ponto.

Por fim, destacamos que o direito de greve do servidor público é assegura pela constituição e o seu exercício é reconhecido como legítimo pelo Supremo Tribunal Federal (MI 708), que, inclusive, censura qualquer prática que vise prejudicar o servidor público que participe de movimento paredista (enunciado sumular número 316).

O Departamento Jurídico e sua direção reiteram que continuarão a monitorar a administração estadual visando defender de maneira intransigente o direito legal, legítimo e justo dos profissionais de educação paralisarem suas atividades como meio de constranger o Estado do Rio de Janeiro a negociar a sua pauta de reivindicações.

Departamento Jurídico do Sepe

quarta-feira, 16 de março de 2016

Após passeata, Governo concorda em marcar audiência com secretário Antônio Neto

Terminou há pouco o ato em frente ao Palácio Guanabara, quando milhares de profissionais fizeram uma vigília, aguardando a saída da comissão da Educação que foi recebida pelo secretário de Governo Affonso Monnerat. Na reunião, o secretário acordou que irá marcar uma audiência com o secretário de estado de Educação, Antonio Neto, para discutir as reivindicações da educação.

Mesmo com a forte chuva que caiu a partir das 11h, milhares de servidores da educação em greve – rede estadual, FAETEC e UERJ – fizeram uma passeata do Largo do Machado até o Palácio Guanabara.

Nessa quinta-feira, dia 17, ocorrerá outro ato unificado dos servidores estaduais, às 15h, em frente à ALERJ.

Fonte: SEPERJ

terça-feira, 15 de março de 2016

Professores da rede estadual fazem passeata em Volta Redonda

Volta Redonda – Professores da rede estadual em greve desde o dia 2 fizeram na manhã desta terça-feira (15), uma passeata pela Educação. A concentração do movimento aconteceu no Memorial Getúlio Vargas, na Vila Santa Cecília de onde saíram até a Coordenadoria Regional De Educação, no bairro São João. Participaram os professores de Volta Redonda, Barra Mansa,  Porto Real, Quatis, Resende, Rio Claro e Angra dos Reis. O movimento contou também com a presença de estudantes e funcionários das escolas estaduais. A passeata foi acompanhada pela Guarda Municipal e provocou congestionamento no trânsito.

Os professores optaram pela greve devido à falta de reajuste nos salários, desde 2015, não há previsão de aumento este ano, e aos atrasos no pagamento. Eles também protestam contra o projeto de lei enviado à Assembleia Legislativa (Alerj), depois retirado, que propõe aumentar a contribuição previdenciária dos servidores do estado de 11% para 14%. “O governo planeja voltar com o texto, mas de forma fatiada”, afirmou a secretária de Finanças do Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação) em Volta Redonda, Maria da Conceição Ferreira Nunes.

A adesão da greve é em torno de 60%, em 30 escolas estaduais na cidade, segundo a diretora do Sepe de Volta Redonda.

– A adesão não é maior porque muitos têm medo de ficar sem pagamento, o que, mais cedo ou mais tarde, vai acontecer – disse, acrescentando que a maior adesão à greve nas escolas estaduais da região está sendo registrada em Barra do Piraí e Barra Mansa, da ordem de 80%.

Fonte: Diário do Vale

quarta-feira, 9 de março de 2016

Greve da Educação completa uma semana, e Sepe alega que adesão chega a 80%

A paralisação da Educação na rede estadual do Rio completou, nesta quarta-feira, uma semana. Convocada pelos Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (Sepe), a greve tem, segundo o sindicato, uma adesão de quase 80%. Outro reforço no movimento é paralisação, também, da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), congelando o ensino público estadual.

Desde a semana passada, a Secretaria estadual de Educação aponta apenas 3% de adesão a greve. Já há, segundo o governo, a previsão de contratação de quatro mil funcionários temporários para suprir a ausência dos grevistas. A pasta informou ainda que “lamenta o movimento, e ressalta que, diante da crise financeira, não há possibilidade de reajuste este ano. Portanto, só os alunos serão os prejudicados. Por isso, pede que os pais enviem seus filhos para as escolas, para as aulas”, disse a secretaria por meio de nota.

A pasta enviou, na última semana, um ofício ao Ministério Público (MP) e ao Conselho Tutelar externando sua preocupação com a presença de menores de idade nas manifestações da Educação. O Sepe, por sua vez, disse não ter participação nas decisões dos grêmios estudantis.

Fonte: Extra

terça-feira, 8 de março de 2016

Assembleia da Rede Municipal de Barra Mansa decidiu por greve nos dias 16, 17 e 18

Assembleia da Rede Municipal decidiu: Greve nos dias 16, 17 e 18 de março com assembleia no dia 18 às 10:00 horas na antiga Câmara. Lembrando que a CNTE puxou também greve nacional da Educação nestes dias. Vamos unificar a luta no município, Estado e no Brasil.

quarta-feira, 2 de março de 2016

Alunos do Sul do RJ protestam em apoio aos professores do estado

Estudantes do Sul e Costa Verde do Rio, fizeram uma manifestação na manhã desta quarta-feira (2), em apoio aos professores da rede estadual que entraram em greve. O ato aconteceu em pelo menos quatro cidades da região.

Em Resende, o protesto aconteceu nas ruas do Centro e do bairo Campos Elíseos. Os manifestantes carregavam cartazes pedindo investimentos na Educação.

"É um descaso o que o governo está fazendo. O professor é um mestre, é a base de todas as profissões. Sem professor você não chega a lugar nenhum. A gente está sem aula, mas é por um motivo maior. É por um motivo nobre. Os professores estão lutando pelos seus direitos", disse a estudante Lavínia da Silva Glória.

"Os alunos estão sem aula, uma resposta à truculência deste governo que nos tira direitos, que precariza a educação destas crianças. A nossa resposta é em defesa à educação pública", explicou a professora Deisiane Alves de Oliveira.

Segundo os profissionais da Educação, a greve não está acontecendo por motivos isolados, mas por uma série de fatores que degradam as condições trabalhistas e interferem na qualidade do ensino. "A gente quer qualidade de ensino. A gente quer qualidade material e profissional. Eles não investem no material, nem no profissional", disse a professora Valéria Pacheco.

Segundo o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe), professores do Estado do Rio entraram em greve na manhã desta quarta-feira (2). A decisão foi tomada após uma assembleia realizada no dia 20 de fevereiro.

As fotos abaixo, que mostram a manifestação dos estudantes no Sul do Rio, foram enviadas para o WhatsApp da TV Rio Sul.

Em Angra dos Reis, estudantes ficaram concentrados na Praça do Porto, no Centro. Eles levaram cartazes apoiando os professores.

Fonte: G1